A ORIGEM DAS CARTAS DO GWENT – EPISÓDIO #1 – VILLENTRETENMERTH

   

   Villentretenmerth, também conhecido como Borch ou Três Gralhas, tem seu primeiro encontro com nosso amigo Geralt de Rívia quando defende os pertences do bruxo deixados do lado de fora de uma gruta onde ele estava enfrentando um basilisco, situação que é narrada no conto “O Limite do Possível” do livro “A Espada do Destino”.

   Quando eles se conhecem, Borch se apresenta em sua forma humana, mas na realidade ele é um dragão dourado com uma grande habilidade em polimorfismo.

   Ele não se mostra incomodado com o fato de Geralt ser um bruxo, e o convida para uma noite de fartura de comida e cerveja em uma taberna chamada Dragão Pensativo.

   Os dragões no universo The Witcher não são seres muito comuns, mas a existência dos dragões verdes, vermelhos, negros e brancos não é negada, diferente dos dourados, que são considerados lendas apenas.

   Borch se interessa muito pela opinião de Geralt a respeito dos dragões dourados, e questiona se ele já viu um. Geralt explica que eles seriam mutantes, o que os tornaria inférteis, portanto, mesmo que houvesse um representante da espécie, além de ser cobiçado demais por caçadores, não poderia deixar descendentes, por isso afirma que, não só pelo fato de que nunca viu um, a existência deles é um mito.

   Um fato curioso sobre Borch é que, em sua forma humana, ele não anda armado, apenas acompanhado de duas jovens da Zerricânia, convenientemente uma terra de adoradores de dragões, chamadas de Vea e Tea, muito habilidosas em batalha, que ele afirma serem suas “armas”.
Ele mantém uma relação íntima com as Zerricanas, possui uma companheira dragão chamada Myrgtabrakke e uma filha, Saesenthessis ou Saskia (Na frase da carta Saskia – Destruidor, ela cita: “Herdei a habilidade de meu pai de assumir outras formas… Bem, uma outra forma no meu caso” porque dragões dourados podem se transformar em diversas outras formas, enquanto um dragão comum só em uma).

   No conto, Borch defende Myrgtabrakke de um ataque organizado por alguns forasteiros que cobiçam a carcaça de dragões para comércio ou pela glória. Desafia o grupo para duelos contra ele e fere ou mata todos que aceitaram o desafio.

Esse dragão é dourado Kennet – rosnou Yarpen Zingrin – Você já viu um como ele? Será que não se dá conta de que com sua pele lucraremos muito mais do que com um simples tesouro?”   

   Todo o conto foi adaptado para uma história em quadrinhos de mesmo nome escrita por Maciej Parowski e ilustrada por Boguslaw Polch.

Quer sugerir a carta para o próximo “A Origem das Cartas do Gwent”? Comente aí!

 

Fonte:

Andrzej Sapkowski – A Espada do Destino;

http://witcher.wikia.com.

Comentários