CDPR fala sobre “loot box”, Gwent, desmente The Witcher 4 e comenta sobre Cyberpunk 2077

loot box (são itens colecionáveis porém há jogos que você é obrigado a comprá-las por “falta de conteúdo” do jogo) ainda continuam dando o que falar. Tendo impactado significativamente a indústria em 2017, os políticos pediram uma regulamentação mais apertada, enquanto alguns analistas questionaram a rentabilidade dos jogos single player para o futuro. O sucesso duradouro do The Witcher 3 contra os jogos mais vendidos do ano passado, no entanto, sugere que os jogadores permaneçam investidos em aventuras solo. Em uma entrevista muito legal ao site PC Gamer, a CDPR comenta mais uma vez sobre isso e outros assuntos pertinentes.

Em novembro, o CEO da CD Projekt Red, Adam Kiciński, propôs que o tão aguardado Cyberpunk 2077 incluirá elementos on-line para garantir seu sucesso a longo prazo. Com isso em mente, foi perguntado perguntado ao co-fundador e desenvolvedor, Marcin Iwiński, como ele e sua equipe se sentem em relação ao loot box – sugerindo que a polêmica  dominou a conversa em torno de jogos single player versus jogos multiplayers nos últimos 12 meses.

Conversação” (em outras palavras, polêmica) parece muito bom descrever o que estava acontecendo no ano passado. Eu preferiria chamar de ‘reação da comunidade’ “, diz Iwiński. “E desta vez, não era apenas a comunidade hardcore, havia muitos jogadores realmente chateados lá fora e eles decidiram falar. Onde nós estamos é bastante simples e você pode ver isso com todos os nossos lançamentos anteriores – mais recentemente The Witcher 3: Wild Hunt e GWENT. Se você comprar um jogo com preço total, você deve obter um conteúdo grande e polido, o que lhe dá muitas, muitas horas de jogabilidade divertida“.

A definição de ‘muito’ pode ​​variar de um título pra outro, mas, no nosso caso, foi sempre de 50 a 60 horas + a história principal, com umas centenas de horas de atividades paralelas, se você realmente quiser maximizar o título. Para mim, este é um acordo justo. Você obtém o que você pagou, além disso, estamos sempre tentando o nosso melhor para entregar a experiência mais agradável possível. Não há presente melhor do que um jogador feliz, recomendando seu título para os seus amigos.”

Iwiński continua: “Então, há conteúdo pago adicional. O que chamamos Expansões (não DLC, lembre-se). Coisas como add-ons, de volta na era do Baldur’s Gate (Baldur’s Gate é uma franquia de jogos de RPG eletrônicos ambientado no Forgotten Realms, da campanha de Dungeons & Dragons). Nós lançamos duas expansões como essa, e cada uma delas foi uma peça significativa de conteúdo oferecendo muitas horas de nova história e jogabilidade. Finalmente, existem as DLCs. Para nós, elas são pequenos pedaços de conteúdo que devem estar disponíveis gratuitamente (e esse foi o caso com o TW3)”.

Os títulos acima citados possuem preços totais, mas também há território livre para se jogar. Aqui temos o GWENT, onde você pode comprar barris de cartas e alguns itens cosméticos. Novamente, o negócio é simples – você pode jogar o jogo de graça e oferecer sua coleção de cartas desejada dessa maneira, ou decida gastar dinheiro e obter barris de cartas. A escolha é sua e a única coisa que você paga é tempo e a conveniência”.

Iwiński enfatiza a necessidade de transparência dos desenvolvedores, e essas informaões sobre seus jogos devem estar prontamente disponível para os jogadores. Os jogadores podem então tomar decisões bem informadas com seu dinheiro, e se eles compram um jogo de preço total, diz Iwiński, eles devem ter “inúmeras horas de jogabilidade e uma quantidade significativa de conteúdo” pelo seu dinheiro.

No momento em que eles sentem que estão buscando sua carteira de maneira injusta, eles comentarão sobre isso. E – francamente falando – eu acho que é bom para a indústria“, acrescenta Iwiński. “As coisas muitas vezes parecem ótimas de uma perspectiva de planilha, mas os tomadores de decisão muitas vezes não estão se questionando sobre” Como os jogadores se sentiriam, ou se esta ‘É uma oferta justa?’ Os jogadores estão se revigorando e espero que isso mude nossa indústria para melhor “.

Referindo-se novamente ao sucesso a longo prazo do The Witcher 3, foi perguntado a Iwiński se a CD Projekt Red irá, ou pelo menos, estar disposta a retornar ao mundo de The Witcher, mesmo que ainda não haja planos para o The Witcher 4.

Nós dedicamos uma grande parte de nossas vidas a The Witcher e isso significa muito para nós, então definitivamente não estamos abandonando esse universo“, diz Iwiński. “Se você sentir falta de seus personagens favoritos, dê uma chance a GWENT. Se você é um fã de boas histórias, existirá o Thronebreaker em um futuro próximo. No entanto, em termos de RPGs grandes, é hora de Cyberpunk 2077.

Nesse ponto, foi perguntado como a CD Projekt Red lidar com o hype e a emoção por um tweet de uma só palavra, com seis caracteres.

“É uma grande responsabilidade e muita pressão”, diz Iwiński. “Nós sabemos que precisamos entregar. E nós vamos”.

Olha só hein, esperamos muito de Cyberpunk e isso gera dúvidas. Sobre entregar o jogo que queremos, será que a CDPR vai conseguir mesmo? Ou irá além, como foi em The Witcher 3? Comentem!

Comentários