Episódio Piloto da série do The Witcher concluído e Lauren define os personagens

Agora sim! A showrunner da série do The Witcher na Netflix, Lauren, publica em seu Twitter que terminou de escrever o primeiro episódio (piloto) da série e o envia para revisão. Lauren é uma pessoa bastante ativa nas redes sociais e sempre está interagindo com os fãs, como respondendo perguntas como “A série será sexista?”, dentre outras. Depois de definido todo o roteiro da série (não apenas o episódio 1), aí sim começará a seleção/divulgação dos atores, bem como toda a produção em si. Enquanto não temos mais informações acerca disso, Lauren ao longo desses dias postou em seu Twitter muitas características de vários personagens da saga The Witcher, veja:

EMHYR É:
Imperialista.
Cruel.
Monárquico.
Mascarado.
Acima de tudo ele é um sobrevivente, tendo gasto a maior parte de sua vida correndo e fingindo, então isso não é uma maravilha. Ele anseia por poder, afinal o que é mais estável do que estarem cima? (E o que é melhor do que um vilão que você quer a cabeça?).

MILVA É:
Saudável.
Selvagem.
Conciliadora.
Senso comum.
O epítome dos tons de cinza dos romances que encarna o romance não correspondido e também a força inacreditável, e também as habilidades para matar e também possuir a capacidade da cruzada para a paz e também e também e também.

GERALT É:
Estóico.
Discreto.
Equilibrado.
Feroz.
Suave e esmagador em um pequeno lugar em seu coração, que ele nunca vai revelar até o fim talvez, e mesmo assim só será uma dica.

YENNEFER É:
Fogosa.
Orgulhosa.
Astuta.
Contraditória.
Buscando preencher um buraco de tamanho família em seu coração, embora ela se ressente e jura que ela está bem sozinha, mas ela não está  e a amamos por ser independente e vulnerável.

CIRI É:
Resiliente.
Implacável.
Descarada.
Amadurecendo.
Ela vai mudar o mundo e o que diabos ela deveria fazer, exceto ter medo e ser ousada,  aprender, se adaptar e encontrar uma família que possa caminhar ao seu lado, não importando o quê e talvez, apenas talvez, lhe ensine o significado do amor.

CARPEADO É:
Elegante.
Fiel.
Extrasensorial.
Estável.
Fico realmente irritada com este jogo, porque não podemos fingir que todos os Carpeados são os mesmos, então eles prefeririam alguma singularidade e reconhecimento individual, em vez de serem agrupados por pessoas que são racistas com cavalos. 🐴

JASKIER/DANDELION (!) É:
Extravagante.
Grosseiro
Lábios soltos.
Fiel.
Esconde-se atrás do exterior de um idiota quando, na realidade, ele é o guardião das realidades de Geralt (mesmo que exagere em seu próprio heroísmo) E das verdades do mundo, o que significa que ele é muito mais importante do que percebemos.

TRISS MERIGOLD É:
Determinada.
Idealista.
Inseguro.
Conflitante.
Jovem, ingênua e sem a confiança das feiticeiras, o que significa que ela está pronta para a manipulação, mas quando ela finalmente transcende a porcaria toda, ela tem a chance de ser amada como ela mesma e não  “ficar de vela da Yenn”

CAHIR É:
Conflitante.
Carismático.
Assombrado.
Puro de coração.
Apesar de ser jovem, ele é como uma relíquia de tempos mais simplórios, quando os cavaleiros em armadura brilhante sempre conquistam a garota, mas de agora diante da dura realidade, ele deve aprender o que significa ser realmente heroico e corajoso para os outros.

REGIS É:
Eloquente.
Escondido.
Mundano.
Assombrado.
O pior dos piores que se transforma no melhor dos melhores ou pelo menos ele se esforça para ser, e é a jornada mais incrível para assistir de um monstro viciado e malvado se tornando a essência da “humanidade personificada”.

VILGEFORTZ É:
Mercenário.
Conspirador.
Fome de poder.
Cruel.
Bonito, até todos descobrirem o que importa para ele (como Geralt diz: “pode-se esperar qualquer coisa de um homem como esse”) porque ele é a essência do mal escondido atrás da beleza, o que o torna muito, muito perigoso.”

Concordam com essas características atribuídas aos personagens que Lauren citou? Você mudaria algo ou não? Comentem!

A série contará com a produção executiva de Sean Daniel e Jason Brown e quem fará os efeitos especiais é a produtora  polonesa Platige Image, comandada por Tomek Baginski Jarek Sawko. A Platige Image tem experiência com The Witcher porque trabalhou no primeiro trailer em computação gráfica do terceiro jogo, onde uns bandidos confrontam Geralt na estrada. Baginski dirigirá no mínimo um episódio de cada temporada da série da Netflix.

Comentários