A ORIGEM DAS CARTAS DO GWENT – EPISÓDIO #9 – LEO BONHART

   Leo Bonhart tem grande participação nos livros de Andrzej Sapkowski desde sua primeira aparição em Batismo de Fogo. É descrito como um homem alto, de bigodes brancos e olhos assustadores, e possui uma coleção de souvenirs de suas “caçadas” a bruxos.
   “Abriu o gibão e a camisa num movimento brusco e tirou, entrelaçando as correntes, três medalhões de prata. Um tinha o formato da cabeça de um gato; o segundo, de uma águia ou um grifo. Não conseguiu ver bem o terceiro, mas parecia ser um lobo.
   Ele é um habilidoso matador de aluguel que foi contratado por dois homens importantes para tratar de seus interesses em Ciri: O Barão Casadei, que a queria viva, e Stefan Skellen, que encomendou a morte da garota.
   Quando ele a encontra, estava em um povoado chamado Ciúme, na companhia dos Ratos , um grupo de 6 criminosos famosos na região de Nilfgaard, que roubam e assassinam ricos, mas ajudam muitos pobres, tornando-se assim “heróis” da população.
   Bonhart, sozinho e em idade já um pouco avançada, mata todos os integrantes do grupo enquanto mantém Ciri amarrada a um poste. Uma das falas da carta no Gwent é inspirada neste momento:
   “– Vamos lá, Ratos – Bonhart olhou para os lados, para o céu, depois ergueu a espada e cuspiu no gume. – Se é para dançar, então vamos lá. Que toque a música!
   Mas ao observar a excelência de Ciri com a espada, resolve dar a ela uma espada (chamada posteriormente de Andorinha), drogá-la com a famosa droga Fisstech e colocá-la para batalhar em uma arena de seu primo Houvenaghel, enquanto uma multidão de milionários assiste aos confrontos.
   Em sua extensa lista de crimes, inclui-se também a tentativa violenta de abusar sexualmente de Yennefer de Vengerberg.
   Durante os acontecimentos de “A Senhora do Lago – Vol. 2”, Bonhart mata o companheiro de Geralt, Cahir, mas acaba morrendo nas mãos de Cirilla.

Fonte:
thewitcher.wikia.com
Andrzej Sapkowski – Batismo de Fogo
Andrzej Sapkowski – A Torre da Andorinha
Andrzej Sapkowski – A Senhora do Lago – Volumes 1 e 2

Comentários