Meta Snapshot #1

Este Meta Snapshot, criado pelo Team Aretuza e Team Nova, tenta estabelecer os melhores decks para jogar na Pro Ladder e na Rankeada, dado o estado atual do metagame, a fim de maximizar as chances de ganhar jogos e avançar.
Cada deck é acompanhado por um pequeno texto explicando um pouco sobre o arquétipo, mostrando as razões para colocá-lo em seu nível ao lado dos prós e contras, além de duas listas de amostra: uma geral e uma alternativa.
Meta Snapshot #1
Legenda:
Tier 1: Esse arquétipo tem combinações favoráveis contra a maioria dos baralhos de níveis mais baixos e alguns confrontos favoráveis contra outras listas do tier 1 (por exemplo, Alquimia vs. Espada Longa). Outro critério é que este deck deve ser capaz de vencer contra decks de nível mais baixo na moeda azul na maioria das vezes.
Tier 2: Decks que podem derrotar os decks de Tier 1 se o jogador puder acessar todo o seu potencial, ou decks fortes com um counter claro (por exemplo, MO Consumo é massivo, mas pode ser contra-atacado com uma simples tech).
Tier 3: Decks viáveis, provavelmente bons para a ladder normal e para alguns picks surpresa nos torneios. Esses baralhos podem surpreender o rival e vencer partidas, mas sem esse fator surpresa, seu potencial é significativamente reduzido. Um baralho nesse tier deve perder dos decks de tier 1 e 2 na maioria das vezes.
Tier 1 decks:
NG Alquimia
NG Alquimia é o arquétipo Nilfgardiano mais popular desde o Midwinter Update, devido ao nerf nos espiões. Tornou-se um dos decks mais fortes no meta atual, se não o mais forte.
O deck é construído em torno da sinergia das cartas Viper Witchers e Alchemy. Vicovaro Novices permitem que você reduza suas cartas de alquimia de bronze, como Ointment e Mahakam Ale. Viper Witchers tornam-se bronzes de 14 ou 15 pontos, fornecendo valor de remoção e tornando o deck muito forte contra os motores (engines).
 Devido à sua capacidade de jogar uma carta de alquimia de prata ou bronze, Vesemir está incluído em quase todas as listas de NG Alquimia. Outras cartas de ouro, como Vilgefortz ou Triss, proporcionam afinamento do deck e jogadas de valor forte.
 Assire entra no baralho com utilidade dupla. Ela pode colocar as cartas de Alquimia (ou o Carpeado) de volta em seu próprio baralho, negar os alvos de ressurreição do seu oponente ou embaralhar cartas no baralho do seu oponente.
Prós:
  • Bronzes de alto valor.
  • Remoção forte com Viper Witchers e Mandrake.
  • R3 curto mais forte do jogo.
Contras:
  • Falta de remoção em quantidade, o que o torna vulnerável a listas de enxames (swarm).
  • Vicovaro Novice mostra dois bronzes de alquimia aleatória e às vezes pode oferecer duas Ointment emparelhadas no R1.
  • O resultado dos Slave Drivers  tem uma alta variação.
  • Fase de mulligan complexa devido à grande quantidade de cartas que estão sendo executados como tutoras e para afinar.
Listas:
  • A primeira lista é a versão sem Cahir. Mais estável em mirror, mas com um pior R3.
  • A segunda lista é uma lista com o Cahir, que usa a combinação Cahir / Calveit como finisher na 3ª rodada, tornando-a muito vulnerável a ser banida via Mandrake. Também é pior na mirror de Alquimia, no entanto, melhora o confronto contra o Scoia’tael.
SK Axeman
Você pode se surpreender ao ver o Axemen tão alto no Meta Snapshot. No entanto, a falta de “limpa clima” no meta atual o coloca em um bom lugar. Com a combinação de capitães piratas, corsários e navios de guerra, este deck também oferece cartas de bronze de alto valor.
Embora o baralho seja construído sobre a sinergia de danificar as unidades do seu oponente e melhorar seu Axemen, ele não é a única a sua única condição de vitória.
Muitas partidas podem ser vencidas pelo tempo em cada turno, fornecendo um enorme valor passivo. Um Craite Whalers puxa alvos para efeitos climáticos enquanto o Clan Dimun Warships fornece remoção e sinergia com Axemen e Derran.
Em uma meta em que clears são escassos, riscos múltiplos são o medo dos jogadores.
Prós:
  • Forte em rounds longos.
  • Tem várias condições de vitória com Axemen, Iris e os danos dos Perigos.
  • Finalizadores fortes.
  • Muitas vezes é capaz de forçar o oponente a ficar com uma carta a menos.
Contras:
  • Dependente do draw: sem acesso aos climas, você lutará para acompanhar o ritmo de outros decks.
  • Bad matchup contra listas com vários clears de tempo, Espada Longa e Consumo.
Listas:
  • A primeira lista é uma lista padrão, usando Derran e carregando uma Sacerdotisa adicional de Freya.
  • A segunda lista troca Derran por Iris para criar uma condição adicional de vitória. Foi usado por Damorquis (Team Aretuza) para alcançar seu pico de 1473 em Skellige. Ele funciona melhor em um meta de remoção pesada.
 
SK Espada Longa

O SK Espada Longa é um dos decks mais fortes do jogo e o único deck de motor que é Nível 1 neste meta. Graças ao buff dado ao An Craite Greatswords (de 7 a 8 pontos), eles podem agora ser puxados pelo Crach an Craite, adicionando mais consistência ao deck.

Os Dimun Light Longships são um dos geradores de pontos deste baralho, especialmente quando usados ​​para danificar os Espada Longa, que são redefinidos e reforçados a cada dois turnos.
O set up do deck é montar seus próprios motores no Round 1 e 2, fortalecendo os Espada Longa ao longo de vários turnos, fornecendo grandes alvos de ressurreição na última rodada. A combinação de ressuscitar um grande Espada Longa seguido por Restore é um poderoso finalizador.
Prós:
  • Forte em rounds longos. Dimun Light Longships em combinação com Espada Longa geram um valor médio de 4 + 2 pontos a cada dois turnos (2 pontos por turno feitos por Longship e 2 pontos de reforço a cada dois turnos de Espada Longa).
  • Um Espada Longa fornece um bom valor em uma rodada curta, com ressurreições da Sacerdotisa de Freya, e às vezes pode superar a Ciri Nova e outros finishers.
  • Devido à sua curta rodada, é uma das melhores listas para sangramento no Round 2.
Contras:
  • Muito vulnerável à remoção antecipada e fraca em relação às listas orientadas ao controle.
  • Tal como acontece com a maioria dos decks Skellige, ele é muito fraco contra o ataque ao cemitério, por exemplo, do Caseiro, Ozzrel ou Médico de Vicovaro.
  • As ressurreições podem ser feitas no Round 1, tornando o deck incapaz de ultrapassar um certo ponto.
Listas:
  • A primeira lista é a versão padrão usada pela maioria dos jogadores para atingir sua pontuação Skellige no Pro Ladder. Crach An Craite é usado para puxar um Espada Longa de 10 pontos, que é menos vulnerável à remoção.
  • A segunda lista é uma variante sem espião, Djenge e Harald. Esta é uma lista mais ambiciosa, que é melhor em um meta de controle e mais popular entre os jogadores chineses.
ST Coinflip Abuse Nova

Coinflip Abuse Nova é uma variação do Mulligan ST que executa o combo Barclay + Cutelo para conseguir um rápido tempo alto (que pode ser uma jogada de 26 pontos com Brouver no Round 1) para criar uma enorme vantagem de pontos na moeda vermelha.

Este deck é muito forte em moeda vermelha. Ele pode negar o passe seco pelo uso da dançarina de guerra e pode gerar oscilações de tempo com Barclay e Cutelo; Aelirenn; e Vrihedd Officer em combinação com um Vanguard Vrihedd.
Com a estrutura dos ‘elfos mulligan’, que torna o deck um dos mais fortes em rounds longos do jogo, tornando quase impossível sangrá-los, foi incluída a Ciri Nova e o Éibhear Hattori para um R3 curto, o que era uma das fraquezas do deck na versão sem Ciri Nova. A lista é forte contra os decks de controle, uma vez que ele espalha as cartas no tabuleiro e não executa nenhum mecanismo de geração de pontos (motor). Aglais é uma carta poderosa em um meta onde quase todos os baralhos usam cartas especiais de alto valor.
Prós:
  • Muito forte em round longo.
  • Ciri: Nova e Aglais como finalizadores no round 3.
Contras:
  • Difícil de muligar, com várias de cartas indesejadas inicialmente. O black list reduzido em uma lista Ciri Nova piora esse problema.
  • Fraco em rodadas de tamanho médio devido à dependência de vários elfos na mesa.
  • Tem várias cartas fracas em rodadas curtas.
Listas:
  • A primeira lista é a versão padrão do ProNeo3001.
  • A segunda lista é a executada por Damorquis (Team Aretuza) como uma lista que pode ser jogada em um meta menos estabilizada, usando Isengrim: Outlaw e Mandrake como substitutos de Hattori e Geralt: Igni.
Tier 2 decks:
MO Consumir

MO Consumir é um dos arquétipos clássicos do Gwent remanescentes do Beta fechado, com algumas variações.

Esse arquétipo é uma opção de “alto risco e alta recompensa”, porque você depende muito de uma carta muito forte, o Nekker. O plano de jogo gira em torno de copiar Nekkers com Nekker Warriors e aumentá-los a cada efeito de consumo. Se você puder executar sua estratégia sem interrupções, este deck será capaz de gerar uma quantidade insana de pontos.
A adição de Phoenix e Alquimista: Ritual no Midwinter Update forneceu a este arquétipo algumas ferramentas para rodadas mais curtas, e acrescentou consistência ao mesmo.
Prós:
  • Este deck não depende da vantagem de cartas e pode ganhar com duas cartas a menos.
  • Quantidade insana de pontos se você puder utilizar Vran Warriors desde o início da partida.
  • Gera alto valor no final do jogo.
Contras:
  • Fácil de “tech ar” contra.
  • Dependente do draw (mão inicial), exigindo acesso a pelo menos um Nekker e um guerreiro Nekker na mão no R1.
  • Jogadas de baixa velocidade no início da partida, o que leva a uma vitória no R1 em duas ou mais cartas.
  • Nenhum espião de vantagem de cartas.
  • Muito vulnerável a incinerar, mandrágoras e artefato de compressão ou remoção precoce de Nekkers.
Listas:
A primeira lista é a versão padrão fornecida pela Molegion (Team Aretuza), que carrega Dandelion: Poet e Ge’els como terceira e quarta ouro, Ozzrel como ferramenta de ataque aos cemitérios, e Summoning Circle para proteger contra Mandrágoras em Nekkers.
A segunda lista é a variante chinesa, que é focada em peças iniciais agressivas, como Kayran e Carpeado, em uma tentativa de lidar com a falta de ritmo inicial.
MO Desejo de morte
MO Deathwish é um arquétipo que é muito flexível e popular entre os jogadores de Monstros. O deck tem sido uma escolha popular em torneios, uma vez que tem bom desempenho na moeda azul, devido à sua capacidade de passe seco.
O deck é um dos mais fortes em rounds longas, gerando pontos passivos com Archespores e Fog.
As outras cartas de poder dessa lista são os D’aos, que permitem jogadas de valor quando combinadas com Griffins (17 pontos) e Cyclops (19 pontos), mas representam um jogo de ritmo lento. Como a maioria dos baralhos de tier 1 tem um confronto favorável contra esse arquétipo, consideramos ele como tier 2.
Prós:
  • Forte em round longo.
  • O valor alto será gerado quando todo o set up estiver armado.
Contras:
  • Jogadas de baixo valor, como os D’aos (6 pontos).
  • Confiança na capacidade de o efeito de desejo de morte do D’ao.
Listas:
  • A primeira lista é a versão sem Ciri Nova usada pelo Damorquis (Team Aretuza) no Gwent Open. Tem como alvo a mirror match e o Scoia’tael.
  • A segunda lista é a versão Ciri Nova, que é apresentada por Octopuses (Team Aretuza), usada por ele para ganhar vários torneios Gwent Arena.
 
RN Henselt Máquinas
RN Henselt Máquinas é um dos arquétipos mais populares desde o Midwinter Update, sendo outra lista dominante na moeda vermelha, ao lado de Brouver. Durante o último Gwent Open, foi o arquétipo mais banido, devido ao seu status de “moeda vermelha = vitória”.
Apesar do fato de que o núcleo pode ser alterado, a maioria das listas executam os Dun Banners (Bandeiras de Dun), cujo efeito é desencadeado quando você está perdendo por mais de 20 pontos no início do seu turno, permitindo que o deck se recupere de grandes oscilações de pontos e fazendo com que o Thaler seja um espião de 1 ponto efetivamente, se jogado para ativá-los.
O rei Henselt geralmente representa mais de 25 pontos, dando-lhe grande potencial como finalizador, no entanto ele pode ser atingido por baralhos orientados para o controle. Por esta razão, Villentretenmerth e Bloody Baron são usados ​​como finishers para este deck.
Prós:
  • Muito forte na moeda vermelha.
  • Henselt é um dos líderes mais fortes. Em combinação com a Nenneke, ele pode puxar até cinco máquinas do baralho.
Contras:
  • Vulnerável à remoção, fazendo de Henselt uma carta ruim ou similar à uma jogada de poucos pontos, se não conseguirmos puxar mais de uma máquina.
  • Fase de trocas dicífil, especialmente com sair com os Dun Banners.
  • Os Dun Banners são mais difíceis de acionar em moeda azul, tornando-os um fardo no R3.
Listas:
  • A primeira lista é a variante padrão, executando Battering Rams e Reinforced Ballistas como as máquinas de bronze, e Villentretenmerth como finalizador. Essa lista é melhor contra baralhos de motor e é protegida contra ressurreições de alto valor.
  • A segunda lista é uma variação sem Dun Banners, carregando um terceiro tipo de máquina para tornar Henselt mais flexível, mas perdendo uma parte significativa de sua força na moeda vermelha. Devido à inclusão da Ballista, esta lista representa uma ameaça maior para decks de swarm como o Scoia’tael Elfos.

 

SK Barcos

O SK Barcos é um dos mais populares arquétipos de Skellige entre jogadores com MMR alto. Os decks dependem do potencial dos Dimun Light Longships para gerar pontos e danificar outras unidades, a fim de fazer com que os Berserker Marauders tenham grande valor em um round longo.
Enquanto ele brilha em uma round longo, também tem finalizações sólidas com Restore e a combinação da ressurreição da Sigdrifa e Skjall, que podem então puxar outro Marauder Berserker. O deck se beneficia do poder do carryover. Em geral, o objetivo é perder o Round 1, gerando a vantagem de cartas com o Wolfsbane, forçando o oponente a uma rodada longa e mantendo a vantagem de cartas no decorrer do jogo.
Conhecida principalmente como uma lista de torneios em vez de um deck de ranqueadas, algumas das melhores pontuações da última temporada do Pro Ladder foram feitas usando esse arquétipo.
Prós:
  • Muito forte em rounds longos.
  • Utiliza o poder do carryover.
  • Ótimo ritmo inicial no R1 devido ao Wolfsbane.
Contras:
  • Vulnerável aos efeitos de movimento.
  • Vulnerável à remoção.
  • Depende do acesso ao Dimun Light Longships.
Listas:
  • A primeira lista roda com dois carryovers, Morkvarg e Olgierd, e várias cópias de An Craite Whaler, em vez de Blacksmiths, para utilizar a tempestade de Skellige da Birna Bran.
  • A segunda lista inclui Geralt: Igni no lugar da Birna Bran, um An Craite Raider no lugar do Morkvarg e preenche o spot de prata restante com Harald Houndsnout. O baralho leva um Ferreiro An Craite adicional para fortalecer uma unidade para o carryover ou para desalinhar alvos do incinerar.

 

SK Veteranos
Veteranos são um dos arquétipos mais lineares que você pode encontrar no Gwent. O deck gira em torno da habilidade dos Tuirseach Veterans, que fortalecem todas as outras unidades Tuirseach em seu deck, mão e no tabuleiro. Em combinação com Tuirseach Bearmasters e Hunters, nos dá acesso a bronzes que valem 14-15 pontos.
Esta estratégia garante uma forte terceira rodada, especialmente quando o Restore é jogado em um Heymaey Spearmaiden ou um Tuirseach Bearmaster. Esse arquétipo parece fácil de jogar, mas é difícil de dominar. O deck não se importa com os efeitos de remoção e outras unidades com grande base de força.
Prós:
  • Bronzes de alto valor.
  • R3 forte com Restore, Sacerdotisas de Freya e Triss.
Contras:
  • Demora para fazer pontos.
  • Ressurreições freqüentemente feitas no R1.
  • Muito vulnerável ao incinerar.
Listas:
  • Primeira lista é uma lista padrão fornecida por Shinmiri2 (Team Aretuza), que a usou para subir ao top 25 no ranking.
  • A segunda lista é uma variante orientada ao controle fornecida por Ashlizzle, que a usou para subir em duas temporadas consecutivas ao GM.

ST Lojo

O Lojo é uma carta muito original, que se parecia mais com um meme quando foi anunciado, mas provou sua consistência ao longo do tempo.

Como é preciso usar apenas uma cópia de cada carta para que o efeito do Lojo ser ativado, a melhor facção para usá-lo hoje em dia é Scoia’tael. A maioria das cartas de bronze representa 12 pontos de valor em média, garantindo um potencial sólido e ferramentas versáteis sem depender de sinergias.
O espião de prata, Yaevinn, mostra uma unidade e uma carta especial. Logo, deixar o Lojo como a única carta especial no baralho garantirá o acesso a ele. Brouver como líder também permite que você puxe o espião, portanto, o baralho sempre será capaz de usar o Lojo.
Prós:
Lojo é uma das melhores cartas de ouro em termos de valor e oferece grande flexibilidade.
Você sempre terá a sua condição de vitória, o Lojo.
Contras:
Lojo é a sua única condição de vitória.
Valor das bronzes muito linear.
Round longos e fracos.
Devido à sua composição, não há possibilidade de lista negra (black list) nas fases de mulligan.
Listas:
A primeira lista utiliza elfos, usando a combinação de abuso de moeda como uma ferramenta de ritmo inicial, enquanto executa cartas de bronze padrão tentando tirar proveito da Vanguard Vrihedd.
A segunda lista foi criada por dois membros do 4º escalão, Chezzy93 e Sabre 97, e roda anões ao lado de alguns finalizadores do round 3, como o Hattori.
Tier 2 decks:
MO Luar
MO Luar é o primeiro deck com dádiva do Gwent. Combinando tempo positivo (dádiva) com clima negativo (perigo), esse arquétipo é baseado em obter muitos pontos passivos a cada turno.
Atualmente, ele é classificado como tier 3 porque depende de rounds longos e é significativamente pior na moeda azul.Ele tem um enorme potencial em rounds longos enquanto falta poder em rounds curtos, apesar das ferramentas de ataque ao cemitério. Cartas como Bridge Troll permitem que você não tire 3 cópias do Foglet para poder puxar os 3, o que ajuda a afinar o deck.
Prós:
  • Forte geração passiva de pontos, com a combinação de dádivas e perigos.

Contras:

  • Falta de um finalizador concreto.
  • Mulligan problemático.
Listas:
  • A primeira lista foi pilotada pela DGThunderer para o GM nesta temporada. É mais clássica e depende mais dos pontos passivos.
  • A segunda lista é uma variante que tenta enganar seus oponentes e finalizá-los com a Miruna (Súcubo).

 

NG Handbuff

Nilfgaard Handbuff é um novo arquétipo baseado em fortalecer uma unidade e devolvê-la à sua mão com o Emhyr para criar um alvo para seus Spotters e seus Escudos Wyvern.
A necessidade de configurar seu combo vai junto com um início de jogo com pouquíssimos pontos. Depois disso, no entanto, este deck atinge mais de 20 pontos por turno, tornando-se um dos melhores decks em termos de jogadas de poder.
Prós:
  • Jogadas de alta valor.
Contras:
  • Vulnerável ao incinerar.
  • Plano de jogo muito previsível.
Listas:
  • A primeira lista é a usada por Jamedi (Team Nova) em algumas partidas da Gwent League com bons resultados. Tem mais potencial na 3ª rodada com os Ointments, mas também torna a divisão Magne mais arriscada.
  • A segunda lista foi fornecida pelo Team Aretuza e está mais focada na consistência.

 

NG soldados

O Nilfgaard Soldados é um arquétipo muito interessante que foi introduzido depois do Midwinter Update, mas nunca se tornou popular.
Algumas listas de Mill usariam isso como seu núcleo de bronze, devido à sua capacidade de gerar uma quantidade enorme de pontos em rodadas longas; no entanto, o nerf no Slave Infantry (onde agora gera uma cópia condenada em vez de uma cópia base) quebrou a sua força.
Depois de alguns ajustes, o deck builder finlandês Santtu2x conseguiu uma impressionante pontuação com NG na Pro Ladder, demonstrando que esse arquétipo tem um grande potencial e que realmente brilha em rounds longos.
Prós:
Fornece valor muito bom em rounds longos.
Fácil de jogar.
Contras:
Lutas para lidar com rounds médios e curtos.
Fraco contra decks de controle.
O limite de nove cartas na linha precisa ser controlado, para não ficar sem espaço no round longo.
Listas:
A primeira lista foi usada por Santtu2x para fazer a sua pontuação de Nilfigard na Pro Ladder.
A segunda lista é uma versão mais orientada para o controle criada pelos brasileiros NocivoShomon e Nocryingok.
RN Armadura
No início do Open Beta, uma versão do RN Armadura com o Henselt estava dominando o meta. Mas, desde então, mesmo com o popular deck Radovid Africa, esse arquétipo não consegue superar o outro arquétipo predominante de Reinos do Norte, o RN Henselt Máquinas.
Usando Tormented Mages como tutores de Thunderbolt, você poderá afinar seu deck a zero. Os últimos buffs nas Elites Redanianas tornaram este arquétipo um pouco mais forte do que antes.
O deck lucra com a sua consistência para puxar todo o seu baralho, no entanto, motores como Redanian Knight Elects ficam abaixo do esperado, e as Elites Redanianas, apesar de serem boas cartas em combinação com os Dun Banners, permanecem como jogadas de baixo valor.
Prós:
  • Forte contra decks de clima ou decks de controle.
  • O Redanian Knight Elect pode gerar uma quantidade enorme de pontos se não for interrompido.
Contras:
  • Falta de um bom finalizador.
  • Jogadas de ritmo lento.
Listas:
  • A primeira lista é uma versão padrão sem Ciri: Nova, que usa Shani para resgatar o Stennis, bem como Sigismund Dijkstra, como finalizadores.
  • A segunda lista é uma versão Ciri: Nova mais orientada para o controle.

 

RN Amaldiçoados

A princesa Adda é uma das líderes menos usadas desde que chegou à Atualização do Meio do Inverno. Esse arquétipo tem um enorme potencial em certos confrontos.
O núcleo deste baralho são os Kaedweni Revenants, que são jogadas de poucos pontos no início, mas podem se tornar úteis em rodadas longas ao lado dos feitiços usados no baralho.
Por ser um arquétipo baseado em controle, torna-se muito bom contra alguns decks predominantes na meta, como HenseIt, Espada Longa ou Consumo, e também fornece uma opção bem interessante em torneios.
A Dun Banner Cavalry é básica, permitindo que você tire proveito das situações de moedas vermelhas. Muitas pessoas não esperam por eles nesse deck, então é mais provável que o efeito seja acionado.
Seus finalistas em um round 3 curto são Villentretenmerth e Seltkirk.
Prós:
  • Forte em rounds longos se os Kaenweni Revenants permanecerem na mesa.
  • Núcleo de controle dinâmico que faz com que o Henselt e outros decks de motores sofram.
Contras:
  • Kaedweni Revenants podem ser anulados ou removido facilmente.
  • Muito fraco contra decks com jogadas de ritmo acelerado, baralhos com jogadas de alto valor ou sem alvos de remoção, como o Brouver Coin Abuse e SK Veterans.
Listas:
  • Versão padrão da lista com muitas cartas de controle e “techs”.
  • Variante Ciri Nova, usada por Lockin para chegar ao GM na última temporada.

 

SK Cerys Amaldiçoados

SK Cerys é um dos arquétipos clássicos que existem no Gwent desde a primeira temporada do Beta Fechado. Ele mudou várias vezes, mas sempre mantendo seu núcleo: Cerys, Morkvarg e Olgierd.
Após as atualizações mais recentes, o arquétipo confia nos Tuirseach Bearmasters e Berserker Marauders para gerar pontos, que são também os alvos da ressurreição para a Sacerdotisa de Freya.
Este baralho lucra com o poder do carryover. Os Saqueadores Berserkers carregam-no em um round longo, visto que a Cerys, junto com os ressuscitados, poderão ser um bom finalizador em um terceiro round curto.
Prós:
  • Muito carryover.
  • Bom em rounds longos e curtos.
  • Pode até mesmo ir com 2 cartas a menos que conseguirá recuperar a diferença em pontos.
Contras:
  • Pode ser forçado a passar no início do primeiro round devido as cartas de ressurreição na sua mão.
  • Vulnerável ao ataque aos cemitérios, já que os Tuirseach Bearmasters são o núcleo do deck.
Listas:
  • A primeira lista é fornecida pelo Miketocome (Team Nova), que usa Bloodcurdling Roars para preencher o cemitério e permitir ressurreições no Round 1.
  • A segunda lista é uma lista mais padronizada criada por Freddybabes.

 

ST Handbuff

ST Handbuff é um arquétipo que apareceu pela primeira vez depois do Gwent Open 1. Apesar disso, nunca foi muito popular devido à falta de ritmo inicial.
Com as mudanças em algumas douradas e o nerf geral de pontos que ocorreu no patch de balanceamento em fevereiro, o Handbuff Scoia’tael tornou-se um deck viável que pode contra-atacar diversos motores, como SK Espada Longa ou RN Henselt Máquinas.
Com um Round 3 muito forte, o Handbuff ST se tornou um dos decks mais interessantes do meta atual e muito divertido de se jogar.
Prós:
  • Forte R3.
  • Toneladas de remoção, negando efetivamente os motores (engines).
Contras:
  • Pontuação baixa na maioria das jogadas.
  • Vulnerável ao sangramento, depois de perder o round 1
Listas:
  • A primeira lista é uma versão padrão, criada pelo Trynet.
  • A segunda lista é o redesenho que Shinmiri (Team Aretuza) usou na Pro Ladder com uma boa taxa de vitórias.

 

Para ler o texto original em inglês, clique aqui