A ORIGEM DAS CARTAS DO GWENT – EPISÓDIO #13 – STEFAN SKELLEN

   Stefan Skellen, conhecido tambem como Coruja, é o conselheiro perito em serviços e tarefas especiais do imperador Emhyr var Emreis.

   Sua primeira aparição nos livros de The Witcher acontece em “Tempo de Desprezo”, quando Emhyr atribui a ele a tarefa de localizar o esconderijo de Vilgeforz e capturar Ciri (o imperador imaginava que Cirilla estivesse nas mãos do feiticeiro) juntamente com um destacamento organizado pelo próprio Coruja.
   “Da mesma forma, a convocação não causara espanto a Stefan Skellen, apelidado de Coruja, que exercia junto do imperador a função de conselheiro perito em serviços e tarefas especiais. Coruja jamais se espantava com coisa alguma.”
   Durante sua missão, ele ordena que o bando chamado de Ratos, no qual Ciri estava inserida, seja morto pela prefeitura da cidade onde eles estavam instalados, sem saber que a garota que estava procurando fazia parte do grupo. Posteriormente, ja ciente de que Ciri era a integrante chamada Falka, e sabendo das dificuldades de exterminar o grupo, contrata Leo Bonhart ( Pode conferir o episódio sobre Bonhart no link: http://valedopontar.com.br/index.php/2018/03/18/a-origem-das-cartas-do-gwent-episodio-9-leo-bonhart/) para assassiná-la.

   “– Será que é importante o que ela tem de especial, senhor Bonhart? – Stefan Skellen, conhecido como Coruja, agente do imperador Emhyr var Emreis, espreguiçou-se. – E se ela, por acaso, realmente o tem? Meu interesse é que ela nem exista e eu lhe pago cem florins para isso. Se quiser, verifique o que ela tem, antes ou depois de matá-la. No entanto, aviso, leal e solenemente, que o preço não vai subir, mesmo que o senhor ache algo especial.”

   Se considera um revolucionário, buscando um novo regime político dos reinos e poder político para si mesmo, o que usa como justificativa para trair as ordens de levar Ciri viva à Emhyr

   “– O povo é ignorante, burro e fácil de manipular – Skellen concluiu, depois de assoar o nariz. – Basta gritar: “Hurra!”, fazer um discurso das escadas do senado, abrir as prisões e abaixar os impostos.
   – O senhor tem toda a razão, duque – disse aquele que arrastava as sílabas. – Agora sei por que o senhor clama tanto pela democracia.”

   Quando descobre que Bonhart não matou Ciri, vai em busca do matador de aluguel, que estava com a garota. Ela consegue fugir, mas Skellen, na tentativa de impedi-la, ainda consegue acertar uma de suas estrelas de seis dentes em seu rosto, deixando a icônica cicatriz.

   Ele continua sua perseguição, mas por fim é encontrado pela guarda imperial, que o entrega o condena à morte por traição.

   “Stefan Skellen, filho de Bertram, traidor. Eu, o presidente do Supremo Tribunal do Império, ao condená-lo, profiro pela última vez o seu nome. Que a partir deste momento ele seja esquecido!”

Fonte:

Andrzej Sapkowski:

A senhora do Lago (1 e 2)
A Torre da Andorinha
Batismo de Fogo
Tempo de Desprezo